"Espero que a minha capacidade de aprender nunca morra." (Augusto Cury)







O que uma Educadora deve ter...

"Uma memória de elefante, para tudo se lembrar.

Uma paciência de anjo, para a todos educar.

Olhos à volta da cabeça, para tudo poder ver.

Resposta automática, para a todos responder.

Microfone incorporado, para tudo registar.

Umas costas bem largas, para tudo isto aguentar.

Ouvidos com controle de intensidade, para não ficar com a cabeça atordoada.

E uma voz bem resistente, para não ter de ficar calada.

Oito braços como um polvo, para a todos ajudar.

E um coração de criança, para tudo apreciar.

Um bom filtro nasal, para os maus cheiros resistir.

E um enorme bom humor, para tudo encarar a rir!

Mais dez dedinhos de fada, que ajudem a trabalhar...

E umas pernas de atleta, para os mais pequenos apanhar.

Conhecimentos de informática, para usar o computador.

E também de medicina, para aliviar a dor.

Precisa também de ter muita cultura geral.

E nas áreas ciêntíficas, não poderá dar-se mal... Biologia,

Matemática e também Meterologia. Para além de Físico-quimica e também Geografia.

Tem de saber Psicologia, para lidar com as pessoas. E dizer sem magoar, às vezes coisas menos boas...

Enfim, uma Educadora à medida da necessidade,

só feita por encomenda, não vos parece verdade???"


(Autor Desconhecido)


quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Poema sobre o Outono

O Outono



Tantas folhas tantas

De tantos feitios

De tantos tamanhos

Umas amarelas

outras encarnadas

ou em tons castanhos

umas têm recortes

há outras que não.

Com cola e pincel

colo-as num pape.

Façam como eu

e vocês verão...

Que bonita fica

Esta Colecção.




sábado, 18 de setembro de 2010

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Apenas a brincar

“Quando me virem a montar blocos

A construir casas, prédio, cidades

Não digam que estou só a brincar

Porque a brincar estou a aprender

A aprender sobre o equilíbrio e as formas

Um dia, posso vir a ser engenheiro ou arquitecto.



Quando me virem a fantasiar

A fazer comidinha, a cuidar das bonecas

Não pensem que estou só a brincar

Porque a brincar, estou a aprender

A aprender a cuidar de mim e dos outros.

Um dia, posso vir a ser mãe ou pai.


Quando me virem coberto de tinta

Ou a pintar, ou a esculpir e a moldar barro

Não digam que estou só a brincar

Porque a brincar, estou a aprender

A aprender a expressar-me e a criar

Um dia, posso vir a ser artista ou inventor.



Quando me virem sentado

A ler para uma plateia imaginária

Não riam e achem que estou só a brincar

Porque a brincar, estou a aprender

A aprender a comunicar e a interpretar

Um dia posso vir a ser professor ou actor.



Quando me virem à procura de insectos no mato

Ou a encher os meus bolsos com bugigangas

Não achem que estou só a brincar

Porque a brincar, estou a aprender

A prestar atenção e a explorar

Um dia posso vir a ser cientista.



Quando me virem mergulhado num puzzle

Ou nalgum jogo de escola

Não pensem que perco tempo a brincar

Porque a brincar, estou a aprender

A aprender a resolver problemas e a concentrar-me

Um dia posso vir a ser empresário.



Quando me virem a cozinhar e a provar comida


Não achem, porque estou a gostar, que estou só a brincar

Porque a brincar, estou a aprender

A aprender a seguir as instruções e a descobrir as diferenças

Um dia posso vir a ser um Chefe.



Quando me virem a pular, a saltar, a correr e a movimentar-me

Não digam que estou só a brincar

Porque a brincar, estou a aprender

A aprender como funciona o meu corpo.

Um dia posso vir a ser médico, enfermeiro ou atleta.



Quando me perguntarem o que fiz hoje na escola


E eu disser que brinquei

Não me entendam mal

Porque a brincar, estou a aprender

A aprender a trabalhar com prazer e eficiência

Estou a preparar-me para o futuro



Hoje, sou criança e o meu trabalho é brincar.”


                                                                                                           Anita Wadley




domingo, 5 de setembro de 2010